domingo, 17 de junho de 2012

Malandro, folgado e cara de pau tem em todo lugar.....

...inclusive aqui na Alemanha. Alemão? Também. Mas no caso que vou contar abaixo os caras tinham cara de turcos/árabes e não poderia ser diferente, que me desculpem a sinceridade.
Comprei um sutiã no mercado que não caiu bem. No dia seguinte, fui devolvê-lo. Sim, isso é possível aqui na Alemanha. É uma das coisas que eu mais gosto ao fazer compras: não serviu, não gostou, não combina com nada que você tem, não é o que você esperava, devolva sem ter que dar nenhuma explicação. 
Eu também tinha que comprar algumas coisinhas. Por isso, peguei um carrinho não com uma moeda mas com um chip, uma ficha. Fui até o balcão de informações do supermercado que fica bem na entrada, sendo que ele é uma ilha de onde o funcionário pode te atender tanto antes quanto depois de passar pelo caixa. Pra entrar no mercado, existe uma cancela e se você tenta sair por ela, uma sirene toca. 
Bem, eu cheguei no balcão de informações, "estacionei" o meu carrinho de compras do lado dele e bem próximo à cancela e fiquei de costas pra ele olhando na direção dos caixas, de onde possivelmente viria uma boa alma pra me atender. Eu cheguei ao mercado por volta das 20h15, fiquei uns 10 minutos esperando e nada. Quando olhei pra trás, cadê o meu carrinho? Vi um cara entrando e entrei correndo no mercado atrás do homem, gritando perguntando se ele tinha pego meu carrinho. Parei ao lado de dois caras que já tinham umas mercadorias no carro deles e, na negativa do senhor, voltei irritadíssima para fora ouvindo as risadas dos dois caras. Ao passar pela cancela, a sirene tocou e todo mundo que estava nos caixas olhou pra mim, não preciso dizer que horrorizados, como bons alemães que se chocam com o burlar das regras. Voltei pra dentro e peguei um funcionário a laço e expliquei que alguém tinha levado meu carrinho de compras e que eu estava dentro com uma mercadoria já paga na mão que eu queria trocar e não algo que eu tinha pego. Ele falou que ia chamar o gerente. Lá vem um moçoilo bem jovem e bonito com olhos azuisíssimos. Comecei a contar o que houve em alemão, mas, no nervosismo, o esforço pra mim era descomunal. Então, comecei a falar em inglês mesmo. Ele perguntou se o carrinho estava com compras. Eu disse que não, que só tinha um chip laranja. Como bom alemão, ele disse que não valeria o trabalho de olhar a gravação do video pra saber quem tinha levado meu carro e que ele me daria um chip em troca do meu. Eu disse que não era pelo chip ou pelo dinheiro, se fosse, mas por ser injusto alguém se apoderar de algo que não lhe cabe, e que quem faz isso pode fazer coisa pior. Mesmo assim, ele disse que não valeria a pena. Me deu quatro chips e ficou por isso mesmo. Eu pensei em pedir que ele anunciasse no alto falante pra quem tivesse levado o dito, o devolvesse, só pra pessoa passar um carão também, já que eu, que era a vítima, passei um carão com o alarme. Mas ele não estava muito a fim, apesar de ser paciente e nem acredito que o malandro iria se entregar. E eu dentro do mercado, resolvi não ter o trabalho de sair de novo pra pegar outro carrinho. Quando fui ao caixa, carregando menos do que pretendia comprar e só o que conseguia carregar nos braços, na minha frente, estavam os dois caras que riram da minha cara. Resolvi dar uma bisoiada no carrinho deles e lá estava o meu chip. Eu fiz uma cara de merda pra eles, mas fiquei com medo, pois não tinha quase ninguém no mercado, praticamente só nós e a atendente de caixa. Eu fiquei me coçando de raiva  deles e de mim por não ter coragem de reagir. E eles estavam rindo e colocando as mercadorias, que não eram poucas, de volta no carrinho.
 A caixa perguntou aos  danados se eles colecionavam "Treuepunkt" ( neste mercado, a cada 10 euros em compras, você ganha um selinho de fidelidade, junta, enche uma cartela e compra mais barato algum produto que eles estejam oferecendo na campanha.). Eles disseram que não, mas mudaram de ideia e pediram os selinhos. Acabaram de colocar suas mercadorias no carrinho e saíram. Um deles, de repente, voltou e jogou os selinhos em cima das minhas compras . Os filhos da puta, com cara de turco, daqueles que não  consideram que mulher é igual ao homem, as desafiam e debocham delas na cara dura, riram da minha cara ainda. Fui atrás, pra tentar tirar uma foto deles e da placa do carro, mas eles já tinham se escafedido.

Conclusão, eu fiquei  possessa:
Primeiro, porque pegar o carrinho de alguém aqui é imoral, antiético e engorda.
Segundo, porque, se eles iam fazer uma compra tão grande como fizeram, por que não tinham pego um carrinho lá fora?
Terceiro, porque eles riram da minha cara enquanto eu indagava outro cara sobre o meu carrinho.
Quarto, porque o gerente, como alemão que é, achou que seria muito trabalho por nada saber quem foi que pegou meu carrinho. 
Quinto, porque eu não pus a boca no trombone, porque não exigi meus direitos. Eu já aprendi que com alemão é assim que funciona. Eles semeiam, se você colhe tudo bem, se você bate o pé, eles voltam atrás. Eu deveria ter exigido saber quem foi que surrupiou o meu carro. Poderia até ter ameaçado chamar a polícia, que eu já vi ser chamada por muito menos. Mas eu me curvei.
Sexto, por eles terem debochado da minha cara jogando o "Treuepunkt" como se dissessem: "Toma, ser inferior, fique satisfeita com o pouco que lhe cabe e cale a boca".
Sétimo, porque, mesmo não concordando com determinadas crenças e comportamento,  eu sempre defendo a integração cultural, não tolero intolerância e preconceito, mas parece que as coisas acontecem comigo pra me dar um chacoalhão e dizer, aceite mas fique com o pé atrás.

Meu marido, e duas amigas me perguntaram por que eu não esperneei? Por que eu não dei uma de louca na hora do caixa? Foi porque eu fiquei com medo de ir para o estacionamento sozinha e tivesse que encarar os turcos/árabes caso eles me abordassem; foi porque já eram 21h e eu tenho pimpolhos em casa. Paradoxalmente, fiquei com raiva de mim mesma. Mas, em compensação, ganhei quatro chips. É, a bocó aqui se contenta com pouco!
  

16 comentários:

  1. Odeio sacanagem. Também ficaria possessa com a situação toda...e abriria o gritedo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Me senti sacaneada mesmo. Falei com minha amiga casada com um policial e ela disse que ele disse que eu deveria ter chamado a policia sim. Da próxima, eu chamo.

      Excluir
  2. Que coisa mais chata hein Arelete!! Entendo perfeitamente como você se sentiu, eu também tenho muita vontade de mandar esse povinho tomar naquele lugar, mas a minha educacao é maior, mas que fico me mordendo de raiva, ahh isso eu fico...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tenho vontade de mandar qualquer um praquele lugar numa situação dessa, mas o racional fala mais alto. E depois a gente tem que desopilar o fígado escrevendo no blog, porque não tirou a situação do sistema, mas não será o primeiro caso e espero ponderar bem o momento pra ter uma reação plausível.

      Excluir
  3. Sei bem como é. As vezes ficamos sem reação, até com um pouco (ou muito) medo. E só depois a coragem se manifesta "eu deveria ter feito tal coisa!". E todo mundo que fica sabendo da história chega com o mesmo "se fosse eu...".

    Se fosse eu, não sei o que faria. Ia depender do meu estado de espírito no dia, mas possivelmente algo entre o passivo bobalhão.

    "quem faz isso pode fazer coisa pior" Sei que vocêestá certa, mas soou engraçado. Como aquelas carolas que falam "começa assim, furando fila no cinema, o próximo passo é entrar pras drogas e matar alguém!" hehehehe

    E sobre a tolerância e inclusão, é realmente um tema complicado. É difícil respeitar uma cultura que acha que metade das pessoas do mundo (mulheres) não merecem respeito. É fódis.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O "coisa pior" a que me referi foi pegar algo de mais valor. Na verdade, usei este recurso no argumento com o gerente e disse que quem fez isso poderia vir a roubar mercadorias no mercado. Mesmo assim... Mas eu sou carola mesmo. Petty crimes podem ser o começo da perda da noção do limite entre certo e errado para infrações mais graves.

      Excluir
  4. Essas coisas deixam a gente com uma raiva enorme mesmo. Mas eu acho que voce nao foi bocó: acho que você seguiu o seu instinto e tomou a decisao certa. Andar sozinha num estacionamento deserto, depois de ter batido boca com dois homens, nao teria sido uma boa (eu já fui atacada num estacionamento aqui na Alemanha, e nao é NADA agradável). É importante buscar e lutar por seus direitos, mas também é importante colocar as coisas na balança: e quando é a sua segurança física que está em jogo, eu acho que tem um peso enorme! Por isso fica com raiva de si mesma nao: eu acho que você agiu super certo sim!
    Beijocas, e boa semana! Angie

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Menina, que história é essa de ter sido atacada? Credo.

      Excluir
  5. Foi como o Daniel falou, as vezes ficamos sem reação, eu já passei por poucas e boas especialmente com taxistas aqui na minha cidade, e depois eu fico pensando mil e uma coisas que eu podia ter dito ou feito mas não fiz. Holandeses já teriam feito maior barraco, mas olha vivendo e aprendendo, na proxima nao deixa passar.

    beijos

    ResponderExcluir
  6. Por isso q existe o racismo no mundo, esses dois ai dão um bom motivo , ou se dão....

    ResponderExcluir
  7. caracas...que foda hem!!!
    eu ficaria "p"da vida tambémmm...
    ave...
    beijinho

    ResponderExcluir
  8. Você não respondeu meu e-mail. Posso te visitar amanhã? (qualquer coisa me liga, to sem crédito =) )

    ResponderExcluir
  9. gente, que situacao surreal pra quem esta acostumada com as coisas certinhas aqui na alemanha ne?! mas realmente tem certas coisas de outras culturas que a gente nao pode aceitar...machismo e má-educação principalmente. bjs!

    ResponderExcluir
  10. Que raiva que deve ter dado. Entendo muito bem como é ser tratada desse jeito e se odiar por não ter reagido. Mas acho que teria feito a mesma coisa que você.

    ResponderExcluir
  11. Na boa, tem gente que me acha racista, mas eu nao suporto marroquino/arabe/turco. Nao suporto mesmo, eles sao preconceituosos com as mulheres (e nao sò as deles), sao desonestos, furam fila, sao mal educados.
    A sua història nao me assusta, porque jà passei por cada coisa com marroquino aqui que è fora de serio! Maleducazione tem em todo lugar, mas o dia em que eu conhecer UM marroquino/arabe/turco gentil ou ao menos educado, acho que serà o fim dos tempos.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  12. tambem tive uma experiencia ruim com um arabe(nada contra eles, mas esse me fez ficar com o pé atrás com todos os demais). Nao era uma lojinha, pelo contrario bem localizada.
    qdo fomos comprar nossa alianca, na loja o cara mostrou duas lindas aliancas. pedimos a gravacao só da data de casamento, entao pagamos 30 pillas de entrada. e ele falou q entregaria no dia seguinte.
    no dia seguinte inventou uma desculpa q o cara que gravava estava doente e tal.Liguei mais tarde e pedi dados dele e ele nao queria dar o nome dele completo de jeito nenhum.
    dois dias depois, fui sozinha ver a alianca.
    nao eram as mesmas que havia nos mostrado no primeiro dia. estas estavam cheias de arranhoes e qdo falei com eles sobre isso, o bandido ainda teve coragem de falar q era só polir pra dar brilho. falei que voltamos de noite para buscar e pagar a alianca.
    entao meu noivo na epoca passou por lá e viu a situacao. Sabe o q fizemos? Falamos que íamos no banco sacar o dinheiro e nunca mai voltamos. Quando ligou pra meu cel, meu cunhado atendeu e informou que nao tinha tal pessoa neste fone e que o cel pertencia a ele, que é da policia. Resultado..perdemos 30 euros e o cara nunca mais ligou. Se ele gastou pra gravar? dane-se, é o minimo que merece por ser caloteiro e pelo estresse q nós deu.

    ResponderExcluir

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin